Dia do Orgulho LGBTQIA+ e como desconstruir o preconceito

Em artigo sobre o Dia do Orgulho LGBTQIA+ (gays, lésbicas, bissexuais, travestis, transexuais, queers, intersexuais etc.), imagem traz o quadro de um arco-íris.

Conheça as principais questões que envolvem a data e as discussões básicas sobre gênero e sexualidade. Vamos combater juntos o preconceito?

Hoje (28 de junho) é comemorado no mundo todo o Dia do Orgulho LGBTQIA+. É um dia especial para conscientizar de todas as questões que envolvem sexualidade e identidade de gênero, assim como combater o preconceito e a opressão na sociedade.

Um dia de muito aprendizado, então separamos as questões fundamentais para todos que querem conhecer melhor o tema e escolhemos alguns influenciadores para ajudar. Vamos lá?

O que é a sigla LGBTQIA+?

A sigla corresponde aos grupos: 

  • Lésbicas: pessoas que se identificam como mulheres e têm preferência sexual/afetiva por outras mulheres;
  • Gays: pessoas que se identificam como homens e têm preferência sexual/afetiva por outros homens;
  • Bissexuais: qualquer pessoa que tenha preferência sexual/afetiva tanto por homens quanto por mulheres;
  • Transexuais, travestis e transgêneros: pessoas que não se identificam com o gênero atribuído a elas;
  • Queer: pessoas que não se identificam com os modelos de gênero (masculino e feminino) adotados na sociedade;
  • Intersexuais: pessoas que nascem com características genitais de ambos os sexos;
  • Assexuais: pessoas que não sentem desejo sexual por ninguém (ainda assim podem ter interesse romântico);
  • +: todos os outros grupos como, por exemplo, os pansexuais.

O canal Pôe na Roda explica direitinho essa sigla:

O que é gênero, sexualidade e sexo?

É preciso diferenciar cada um deles para entender todas essas questões. Sexo é o seu órgão sexual - o único definido pela biologia. Gênero e sexualidade não são definidos por características físicas.

Sexualidade é sobre quem você gosta e gênero é sobre quem você se identifica (quem você é). É essencial entender que um não tem nenhuma relação com outro. Do mesmo jeito que você pode ser loiro ou moreno, careca ou cabeludo, e ainda assim, gostar de torta de limão. Viu? nenhuma relação.

Influência social e sexualidade

Educação, repressão, leis ou regras não mudam a orientação sexual de uma pessoa. O historiador Leandro Karnal fala aqui sobre o preconceito e explica esta complicada questão humana:

Quer saber mais?

O tema é extenso, rende uma vida toda de aprendizado e muito, muito estudo. A Rita Von Hunty, do canal Tempero Drag passeia pela prateleira dela e deixa aqui algumas indicações de livros para a gente nunca deixar de estudar - nem de combater o preconceito:

Imagem: Steve Johnson on Unsplash

Leia também:

Receba as matérias mais bacanas no seu e-mail