De frente para a câmera, jovem loiro de pele clara e com acne, olhos azuis, cabelos curtos e camiseta bege, limpa o rosto com lenço umedecido em gel de limpeza facial.

Cravos, espinhas e oleosidade: como cuidar da pele com acne

Resenha Dr. JONES: Novembro azul e saúde do homem Lendo Cravos, espinhas e oleosidade: como cuidar da pele com acne 6 minuto(s) Próximo 6 séries de exercícios para fazer em casa

A acne é um problema de pele causado inicialmente por uma inflamação, geralmente mais associado à adolescência. Ela, porém, também pode aparecer na idade adulta. Você tem cravos e espinhas? Fique atento, então, às nossas dicas.

Quem tem sabe: a história de que a acne some quando a adolescência passa não é bem verdade para todo mundo.

Cravos e espinhas não apenas podem continuar na idade adulta ou em qualquer outra fase da vida, como, às vezes, podem até estrear nessa outra fase, tanto na pele do homem quanto na da mulher, afetando diretamente a autoestima e a autoconfiança.

A boa notícia é que existem tratamentos que podem ajudar na redução da acne ou até preveni-la. Listamos algumas dicas para você nesse sentido.

O que é acne?

Essencialmente, a acne se origina de uma inflamação na pele, que começa com as glândulas sebáceas – as glândulas que, localizadas na camada intermediária da pele, chamada derme, são responsáveis por produzir o sebo, ou seja, o ‘óleo’ que reveste a pele em si. 

Apesar de muita gente que tem pele oleosa ‘torcer o nariz’ para esse óleo natural, ele tem funções muito importantes: lubrifica a pele e os pelos, aumenta sua proteção e age contra o ressecamento, ao impedir uma perda excessiva de água para a superfície.

O ‘probleminha’ vem quando ele é produzido em demasia, causando um excesso de oleosidade na pele. O óleo ‘a mais’ pode obstruir o poro por onde é liberado. Como consequência, as células que ficam ali acabam por se acumular e formar uma espécie de ‘tampão’ (hiperqueratinização), o que torna aquele ambiente propício para o crescimento de bactérias.

Uma delas, antes conhecida como Propionibacterium acnes e agora denominada Cutibacterium acnes, é bastante comum nesse processo. Ela é facilmente encontrada na pele e tem duas características que a relacionam à acne: pode sobreviver em ambientes com pouco oxigênio e se nutre justamente da secreção produzida pelas glândulas sebáceas.

Imagem microscópica de Cutibacterium acnes cultivada em tioglicolato. Acumuladas, as bactérias formam estruturas que parecem filamentos escuros em fundo azul-claro.

Cutibacterium acnes cultivada em tioglicolato. Foto: CDC/Bobby Strong, 1972 (Domínio público).

Resultado: enquanto as bactérias fazem a festa no banquete oferecido pelo folículo entupido, causam a inflamação. Inflamada, a pele começa a apresentar as lesões e protuberâncias, que são a acne manifesta.

Por isso, as espinhas, por exemplo, costumam aparecer justamente nas regiões do corpo em que há mais concentração de glândulas sebáceas: rosto, pescoço, costas, peito e, às vezes, parte superior do braço.

Especialmente para a pele masculina, uma má notícia: a testosterona a mais estimula a produção das glândulas sebáceas, o que explica uma ocorrência maior de pele oleosa entre nós. 

As lesões da acne recebem até uma classificação técnica, que vai dos comedões (que são os cravos, que começam com aquele pontinho branco e depois ficam escuros) até os nódulos, que podem atingir impressionantes 2 cm. Essa mesma classificação permite catalogar a acne em graus de gravidade, do I ao IV.

O vídeo abaixo, do canal Telemedicina Nuvem do Conhecimento, no YouTube, traz uma animação da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP) que mostra como a acne se forma. Dá uma olhada.

O que é bom para pele com acne?

Homem negro, com barba desenhada e cabelo curto e raspado nas laterais, lava o rosto em pia de banheiro, em alusão às estratégias para evitar a acne.

Foto: Lumin | Unsplash.

A depender da gravidade ou do incômodo, não tem jeito: será necessária a avaliação de um dermatologista.

Isso porque o tratamento pode envolver antibióticos, controle da oleosidade na pele e intervenções para evitar que a pele fique com marcas ou cicatrizes depois.

No entanto, há algumas estratégias que podem ser feitas em casa e ajudam a prevenir ou diminuir a acne.

1. Lave bem o rosto

Para manter uma pele saudável, é essencial que você a lave diariamente. Isso ajuda a remover as impurezas, a oleosidade e o suor, deixando a pele com um aspecto mais bonito.


Além disso, é importante usar um produto desenvolvido para o rosto, que, entre outras adaptações, se acerta direitinho com o pH da pele dessa região, que costuma ser diferente de outras áreas do corpo.

Produtos com pH neutro, que desobstruem os poros e contêm compostos que ajudam a controlar a oleosidade na pele, como o Carvão Vegetal, saem na frente. 

Um bom esfoliante também pode ajudar.

2. Adote uma rotina de skincare masculino

Jovem negro faz rotina de skincare em frente a espelho (que não aparece na fotografia). Ele usa camiseta branca, tem cabelos curtos, sem barba, e passa creme na face.

Foto: The Creative Exchange | Unsplash.

Parece exagero ou frescura, mas não é. 

Quem cuida bem da pele, do começo ao fim e com frequência, acaba tendo menos problemas com ela, inclusive com cravos e espinhas.

Aqui, na Dr. JONES, já produzimos um conteúdo que ensina o passo a passo de uma rotina de skincare.

Outro artigo conta como evitar armadilhas que, na verdade, pioram a oleosidade em vez de ajudar a controlá-la. 

Vale a pena conferir.

Veja, no vídeo abaixo, como iniciar um skincare diário com uma limpeza simples de pele oleosa usando microesfoliante.

3. Tenha uma dieta balanceada

Ter uma alimentação balanceada ajuda em várias questões de saúde – e reflete-se na sua aparência. Além de proporcionar um maior bem-estar, alimentos saudáveis fortalecem o cabelo e melhoram o aspecto da pele.

Isso inclui a quantidade de água que você toma diariamente, pois manter-se hidratado garante também melhor hidratação na sua pele, diminuindo as possibilidades da acne se proliferar por causa do ‘efeito rebote’: com a pele desidratada, o corpo produz ainda mais óleo, na tentativa de aumentar a proteção.

4. Afaste o estresse com exercício físico

Existem alguns fatores que propiciam o aparecimento ou piora da acne. Um deles é hereditário: pessoas que têm família com problemas de acne têm mais predisposição a desenvolvê-lo.

Outros estão ligados a estados como estresse ou ansiedade. Para aliviar o stress e diminuir a incidência de acne, nada como aderir a uma rotina de atividade física, já que a prática de exercícios físicos aumenta a produção de endorfina – o hormônio do bem-estar. Ter uma boa noite de sono, dormindo de 7 a 9 horas, é outra recomendação importante. 

E aí, curtiu? Comenta com a gente o que faz para cuidar da sua pele para diminuir ou tratar os problemas com a acne.

Foto/Destaque: Cottonbro | Pexels.

Leia também: